Um amor diferente.

Oi gente, tudo bem? Hoje resolvi abrir um espaço para mostrar novas formas de amor...

Confesso que no começo cheguei a torcer o nariz para estes "animais de estimação".

Mas eles logo me conquistaram...

O texto foi feito pelo próprio dono dos animais, o Kadu.

Futuro veterinário... doido como eu!!

Quando eu comecei a trabalhar no biotério central da Universidade Federal de São Paulo eu achava o que a maioria das pessoas achava dos ratos: Pragas horríveis, repugnantes, sujas, vetores de doenças que até eu poderia pegar.

Tinha até medo deles, afinal, 4 incisivos gigantes daqueles fazem um estrago... Mas ao longo do tempo eu fui obrigado a enfrentá-los e acabei descobrindo animais dóceis, tranqüilos e que poderiam, porque não, ser ótimos animais de companhia. E essa idéia foi amadurecendo quando eu peguei uma caixa com 7 filhotes pra coletar material e mandar para análise.

Todos os dias, ao final do expediente, eu passava mais ou menos meia hora com um deles em especial, que até já me reconhecia e não chorava (sim, ratos também choram) quando eu o pegava. Entrava no bolso do meu avental, andava pelo meu pescoço, pelo meu braço, por dentro da manga... Se sentia em casa.Aí um dia chegou o resultado do material coletado: Todos negativos. Em uma área de produção, todo espaço é dinheiro. Não tinha como guardar duas caixas com 7 animais que não teriam nenhuma finalidade lá. Logo, eles seriam sacrificados. Então eu arranjei um lugar aqui no meu quarto, bem escondido de mãe e vó e trouxe esse rato e um irmão. E eles ficaram escondidos em cima da minha vitrola por uns bons 3 meses.

Quando foram descobertos já não tinha como mandá-los embora. Foram obrigadas a conviver com os dois, agora chamados de Splinter e Smigol.Hoje eles passam o dia dormindo na grande caixa de acrílico deles e toda noite eu os solto pelo quarto. Quarto esse que eles conhecem melhor do que eu, já que eles entram em todos os cantos, sobem em todos os móveis, e, incrivelmente, quando soltos, não roem nada. Já quando presos.... coitado do meu edredon!No final das contas, acabei descobrindo afeto e reconhecimento nesses, assim como em qualquer outro. Ratos também choram, ratos também sentem medo, ratos também adoecem... e o mais legal de tudo: Ratos também te recebem com uma felicidade aparente, ratos também te seguem, ratos também pedem carinho, ratos também lambem quando estão contentes!!! Um rato de estimação é como um cão, como um gato, como um passarinho. Ele apenas tem sua imagem muito mal vista por toda a sociedade por conta do seu sucesso (Não há como negar que sobreviver em meio a tantos homens e se multiplicar tanto não seja sucesso.).

Perguntas que todo mundo faz sobre ratos e as minhas respostas:

-Ratos não são sujos?
R: Não! Os meus são limpinhos e cheirosos! Tomam até banho!

-Ratos não transmitem leptospirose?
R: Transmitem! Assim como seu gato transmite toxoplasmose! É tudo uma questão de onde e como você cria seu animal.

-Ratos não podem chamar outros ratos pro seu quarto?
R: Não! O que atrai esses animais é a disponibilidade de comida. O mais fácil é cortar o acesso do lixo e de qualquer resto ou não de comida.

-NOOOOOSSA! OLHA O TAMANHO DOS DENTES DELE!!! VOCÊ NUNCA FOI MORDIDO??
R: Já! Já fui! Inclusive pelo Splinter um dia que eu tava perturbando ele! Mas como eles sabem a força que têm nos masséteres, não foi nada grave. Foi só um -Dá pra parar de me encher? Hoje ele dá mordiscadinhas na mão como forma de repreensão! Ehehehe